PARTIDOS E BANCADAS ESTADUAIS NA CÂMARA

Atualizado: Abr 16

O que as votações na Câmara dos Deputados revelam sobre o posicionamento dos parlamentares? Na hora de decidir propostas, que diferenças existem entre os partidos? Qual foi o alinhamento deles no primeiro semestre de 2019? E as bancadas estaduais, elas se mostraram presentes?


Nosso monitoramento olhou para as 142 votações nominais realizadas no plenário da Câmara dos Deputados entre fevereiro e julho deste ano, analisando como cada um dos 513 parlamentares em exercício se posicionou. Utilizamos uma metodologia reconhecida na ciência política que compara as semelhanças e diferenças entre os padrões de votação de cada deputado e permite localizar cada um deles dentro de uma escala, para uma dimensão ou mais. No caso brasileiro, historicamente, estimativas para uma ou duas dimensões costumam prever corretamente mais de 90% dos votos.


Primeiro, cada deputado foi posicionado numa escala de -10 a +10 e calculamos a média da pontuação dos partidos. Isso revela a tendência geral de alinhamento partidário do último semestre na Câmara dos Deputados. PT, PSOL e PC do B formam um bloco identificável mais à esquerda, de oposição; enquanto PSL e NOVO estão mais distantes à direita, atuando como núcleo duro do governo no legislativo. Grande parte dos demais partidos - à exceção da maioria do PSB, Rede e PDT - apresentam médias bastante próximas, num bloco de centro ou centro-direita, pois, de modo geral, estão mais próximos das posições do PSL/Novo do que do PT/PSOL/PC do B.


Posição dos partidos em votações nominais na Câmara.

Cada ponto representa a média do posicionamento dos parlamentares da bancada.

Fonte: Câmara dos Deputados. Dados Abertos. 06/08/2019.


Essas médias escondem um dado importante: as diferenças dentro dos partidos. Nem todos os parlamentares de uma mesma agremiação votam da mesma maneira em todas as oportunidades. Há temas e votações sem orientação partidária; como também há casos em que o deputado não segue a indicação da liderança; ou mesmo não comparece à votação. A figura seguinte exemplifica essas diferenças internas para PT, PSB, DEM e PSL


Posição dos parlamentares em votações nominais na Câmara. (DEM, PSB, PSL e PT)

Cada ponto representa o posicionamento estimado de um(a) parlamentar.

Fonte: Câmara dos Deputados. Dados Abertos. 06/08/2019.


Temos, por exemplo, casos de deputados do PSB tão à esquerda quanto parlamentares petistas; assim como alguns bastante próximos a integrantes do DEM. Note-se, de qualquer modo, que as posições mais extremas são bastante diferentes, sem confusão entre como membros do PT e do DEM ou PSL têm votado. Ainda que existam diferenças intrapartidárias, as votações revelam uma dimensão latente importante que orienta as disputas no Congresso.


E quanto às bancadas estaduais? Os deputados estão posicionados de maneira diferente nas votações? Olhando para as médias de cada estado, parece existir um pequeno alinhamento de bancadas do nordeste e alguns estados do norte na região mais à esquerda da escala, enquanto UFs do sul, sudeste e centro-oeste ficam mais à direita. Contudo, há muita variação interna. É o que revelam as linhas do gráfico, todas elas sobrepostas entre si na sua maior parte, afastando a ideia de que existiria alguma bancada estadual claramente “de esquerda” ou “de direita”.


Posição das bancadas estaduais em votações nominais na Câmara.

Cada ponto representa a média do posicionamento dos parlamentares de cada UF. Linhas representam o intervalo de confiança de 95%.

Fonte: Câmara dos Deputados. Dados Abertos. 06/08/2019.


A comparação entre as médias por partido e por estado também revela, para este último semestre, o primeiro do governo Bolsonaro, algo que a ciência política já tem indicado: nas votações nominais da Câmara dos Deputados, o partido que o parlamentar pertence costuma ser mais importante do que a Unidade da Federação em que ele foi eleito. Esse é mais um indicativo de que, no plenário da Câmara, o modelo político brasileiro tem se mostrado resiliente, ao menos até o momento.

Posts recentes

Ver tudo

A relação de Bolsonaro com o Congresso

A promessa de campanha: fim do presidencialismo de coalizão Eleito com 55,13% dos votos, Bolsonaro chegou ao Planalto com a promessa de uma "nova política", em resposta à descrença de muitos acerca da

CONJUNTURA POLÍTICA

Covid-19 chega ao Brasil O início de março marcou a ocorrência dos primeiros casos de transmissão comunitária do novo coronavírus no país, nas cidades de Rio de Janeiro e São Paulo. Embora já existam

  • White Twitter Icon
  • White LinkedIn Icon

© 2019, Poliarco Inteligência Política.